Dicas para fazer um intercambio

Dicas para fazer um intercâmbio por conta própria

Muita gente olha os preços de intercâmbios em agências e fica de cabelo em pé. Mas calma! Dá para organizar seu intercâmbio sozinho e economizar. No entanto, diferente das viagens de férias, uma viagem de estudos requer atenção extra com alguns detalhes. Confiram minhas nove dicas para organizar um intercâmbio por conta própria.

1. Não se afobe

Se você escolher não contar com uma agência, você será responsável por todos os detalhes da sua experiência. Para poder planejar tudo certinho, você vai precisar de muita paciência e bastante tempo. Não se afobe e não faça tudo na correria para o sonho não virar pesadelo. Planejar um intercâmbio por conta própria vai precisar de muuuuitas buscas no google, muuitos e-mails trocados com escolas e um tantinho de cara de pau para perguntar em fóruns na internet.

2. Defina o tipo de intercâmbio

O mercado tem as mais diversas opções para quem quer passar um tempo no exterior estudando. Por isso, é fundamental definir seu objetivo: aproveitar suas férias do trabalho para ficar fluente em inglês? Melhorar seu inglês e trabalhar? Aprender um outro idioma como alemão ou francês? Fazer um curso de idiomas combinado com outras atividades como culinária ou arte? Tendo o objetivo em mente, você pode ver quais os pré-requisitos para fazer esse tipo de curso no exterior e começar a pesquisar as possibilidades de curso e países.

3. Abra seu coração para destinos não tão populares

Destinos como Estados Unidos, Canadá, Austrália e Reino Unido são super populares entre quem quer fazer intercâmbio, mas fique atento para destinos menos visados e que podem oferecer preços e atrações diversas. Em Malta ou na África do Sul, por exemplo, dá pra estudar inglês gastando bem menos. Inclua lugares menos populares ao buscar por um intercâmbio sozinho. Isso pode ajudar a cortar custos e ainda proporcionar uma experiência única.

Vale sempre ponderar e comparar preços de cursos de mesma duração em cidades grandes e cidades menores. A diferença do preço do curso e da acomodação podem fazer toda a diferença no seu orçamento.

4. Como escolher o curso fora

Pra muita gente, a tarefa mais difícil parece ser escolher entre as diversas opções que existem de cursos no exterior. No caso de cursos de idiomas, as embaixadas e consulados quase sempre possuem listas de cursos acreditados por órgãos oficiais para receber estrangeiros. Optar por cursos credenciados em órgãos oficiais do governo é sempre a opção que menos vai te dar dor de cabeça na hora de conseguir visto.

Pesquisar a opinião de alunos e ex-alunos sempre ajuda a não cair em furadas. Grupos no Facebook de brasileiros no exterior também são boas fontes para perguntar sobre referências de cursos fora. Não tenha vergonha de mandar e-mails para o curso/escola onde você deseja estudar perguntando sobre todas as suas dúvidas, inclusive, sobre custos e formas de pagamento. Não esqueça de perguntar se o curso/universidade auxilia com trâmites do visto e também que tipo de visto você precisa solicitar para fazer o curso desejado.

5. Compare tudo de maneira organizada

Organize toda a informação que você tem sobre os cursos no exterior de uma forma visual em uma tabela. Coloque cursos pesquisados, preços, duração, pré-requisitos e outras informações importantes para tomada de decisão de qual curso fazer no exterior. No caso dos cursos de idiomas, fique atento às escolas que oferecem preços muito abaixo do mercado local, isso pode ser sinal de alerta e pode trazer problemas na hora de conseguir o visto de estudante.

6. Descubra de qual visto você precisa

Para organizar seu intercâmbio por conta própria você tem que estar bem informado sobre o tipo de visto necessário para fazer seu intercâmbio. Tenha muita calma e paciência nesta hora porque fazer a pesquisa por conta própria pode ser uma das partes mais chatas do intercâmbio. Se a intenção é ficar mais de 90 dias, é praticamente inevitável ter que pedir visto, se o caso é de ficar menos que isso, muitos países não exigem visto para brasileiros. Certifique-se disto antes de comprar a passagem entrando em contato com Embaixadas e Consulados.

7. Economize nas passagens aéreas

Seja esperto na hora de comprar a passagem! Saber quais são os períodos de alta temporada no país para onde você vai ir é uma ótima dica para evitar preços exorbitantes. Outra dica é comprar as passagens com pontos de programas de milhas. A maioria dos cartões de crédito dá pontos que podem ser trocados por passagens áreas. Além disso, ficar de olho nos alertas do Melhores Destinos, é sempre uma boa forma de economizar para fazer seu intercâmbio sem agência.

Dependendo da sua idade e do seu tipo de curso, também é possível comprar passagens de estudante com desconto e validade de até um ano. Consulte agentes de viagem e sempre pergunte se eles oferecem passagens de estudante e quais as condições para sua compra.

8. Não esqueça do seguro

Ficar doente no exterior sem nenhum tipo de amparo não é divertido. Ter seguro saúde é muito importante para não ficar na mão no caso de algum imprevisto durante o intercâmbio. Você vai encontrar todo tipo de preço e serviço. Pesquise as empresas e suas coberturas e peça opinião de quem já precisou usar o seguro internacional.

Para quem toma medicações controladas ou contínuas, é importante levar a medicação ou uma receita do seu médico em inglês. Em muitos países, você não vai conseguir comprar quase nada na farmácia sem receita. Então, caso você saiba que vai precisar de alguma medicação é bom levar com você.

9. Onde morar durante o intercâmbio

Para cursos mais curtos no Exterior existe todo tipo de acomodação: apartamento compartilhado, Airbnb, hotel, moradia estudantil ou casa de família. Todas as opções têm prós e contras e o interessante é você colocar tudo numa lista para poder comparar. Pergunte para todas escolas que você entrar em contato se eles oferecem algum tipo de acomodação no pacote. Muitas vezes as escolas têm até algumas ofertas com refeições incluídas. O que pode ser muito prático. No caso de morar com uma host family, você tem que estar pronto para conviver com pessoas e tentar se integrar como parte da família. Se o seu curso for na universidade, pergunte sempre pela opção de moradias estudantis. Em muitos países elas são baratas e razoáveis.

Os grupos de Facebook de brasileiros também podem ser uma boa opção para achar acomodação. Só tome cuidado e nunca efetue pagamentos para desconhecidos antes de efetivamente ver o quarto/casa. O importante é você ter onde morar pelo menos nas primeiras semanas. Estando no lugar é bem mais fácil achar algum lugar mais barato e com boa localização

Deixe uma resposta